A menina de Acari (RN) que vendia cocadas em frente ao Cinema São Luiz e depois virou atriz famosa

No final da Segunda Guerra Mundial, em 1946, era inaugurado o famoso Cine São Luiz, cinema que ficava na Av. Presidente Bandeira (Avenida 2), no bairro do Alecrim. O São Luiz fez história em Natal com shows e filmes memoráveis.

Cinema São Luiz, em Natal antigamente

Era lá que uma menina natural de Acari, cidade que fica a 201 km de Natal, vendia cocadas e gostava tanto de cinema que gastava todo o apurado em ingressos para assistir os filmes dele.

Seu nome era Rejane Medeiros e ela chamava a atenção porque possuía uma beleza sem igual. Com o dinheiro das cocadas ela assistia os filmes várias vezes. E depois disso, conta-se que ela ia pra casa e ficava imitando as atrizes em frente ao espelho.

Rejane Medeiros é um caso ilustrativo de atrizes que direcionaram a carreira com exclusividade para o cinema. Belíssima, ela desenvolveu uma trajetória de cerca de uma dezena de filmes, realizados entre a década de 1960 e o início dos anos 80.

Atriz acariense Rejane Medeiros – Foto: Reprodução

Rejane então foi embora para o Rio de Janeiro e lá rapidamente evoluiu se transformando numa estrela de cinema internacional. Ela já teve participação marcante em filmes como “Entre o Amor e o Cangaço”, “Tarzan, O Menino da Selva”, “Anita Garibaldi” e “Pecado Mortal”.

A atriz casou-se com o musicista Egberto Gismonti e com ele teve dois filhos: Alexandre Gismonti e Bianca Gismonti.

Foto do documentário para o Canal Brasil sobre a atriz Rejane Medeiros, em 2009. Foto Divulgação

Rejane Medeiros estreou no cinema ainda adolescente e em grande estilo pelas mãos de Roberto Farias, no filme Selva trágica, em 1963, um dos pontos altos da filmografia do diretor. A seguir, participa de dois filmes sobre o tema do cangaço e entra na década de 70 atuando em filmes de diretores como Marcos Farias e Miguel Faria Jr, período em que teria mais presença no cinema nacional. É nessa década também que participa de A noite do espantalho, filme cult dirigido pelo músico e cineasta Sérgio Ricardo, um dos parceiros do cinema de Glauber Rocha.

Em 1974, Rejane Medeiros tem outro momento de destaque em Soledade – a bagaceira, adaptação para o cinema do romance de José Américo de Almeida, dirigida por Paulo Thiago. A atriz faz incursão em carreira na Itália, onde interpreta Anita Garibaldi em trabalho para a TV, dirigido por Franco Rossi. Seu último filme no cinema nacional é O torturador, de Antonio Calmon.

Filmografia

Selva trágica, 1963, Roberto Farias
Entre o amor e o cangaço, 1965, Aurélio Teixeira
Meu nome é lampião, 1969, Mozael Silveira
A vingança dos doze, 1970, Marcos Farias
Sangue quente em tarde fria, 1970, Fernando Campos e Renato Newman
Pecado mortal, 1970, Miguel Faria Jr.
Guru das sete cidades, 1972, Carlos Bini
A noite do espantalho, 1974, Sérgio Ricardo
Soledade, a bagaceira, 1976, Paulo Thiago
O torturador, 1981, Antonio Calmon

 

Fonte: Curiozzzo.com
Comentários de Henrique Medeiros

Compartilhe:

Comentários (12)

  • REJANE MARIA DO NASCIMENTO MONTEIRO Responder

    Eu sou Rejane Monteiro estudamos no colegas das Nevesc rm Natal fomos colegas de turma. E estávamos sempre juntas. Tenho belas recordações de nossa amizade. Hoje moro no RJ e nos encontramos por acaso no centro do Rio foi muito bom esse encontro. Tinha sempre noticiadas dela na mídia hj não mais. Parabéns pelo seu carreira de sucesso .

    24 de janeiro de 2021 at 18:22
  • Izaac Gomes da Costa Responder

    Rejane tinha varias irmãs e irmãos. Tive o imenso prazer e privilégio de a conhecer porque éramos amigos na pré adolescência. Fomos vizinhos na Rua Henrique câmara no alecrim. Belíssima recordações! Realmente! A menina mais linda e encantadora que já conheci!

    24 de janeiro de 2021 at 02:09
  • Lúcia Medeiros vital Responder

    Oi TB sou de acari terra que amo mtooooo

    22 de janeiro de 2021 at 08:50
  • Elizabeth Responder

    Fantástica e casou com um músico fantástico

    22 de janeiro de 2021 at 06:50
    • zezito Responder

      Conheci ela em Acari há alguns anos atrás, quando a mesma estava visitando a cidade. Conversei com ela que me revelou que estudou no 7 de setembro em Natal. Ela andava em companhia de Chico Acari.

      22 de janeiro de 2021 at 15:10
  • Carlos R Brito Responder

    Eu era estudante na década de 1970, ouvia falar que minha conterrânea participava das filmagens em Soledade, 100 km de onde eu morava, mas esta é a primeira vez que leio sobre a carreira da Rejane

    21 de janeiro de 2021 at 12:10
  • Otoniel Responder

    Tive o privilégio de conhecer, a sua família era a nossa vizinha, fomos assistir o filme de lampião no cine São luz, agente morava na rua Ari Parreira no alecrim

    21 de janeiro de 2021 at 11:00
  • Dom Peron Responder

    Que maravilha!! Uma linda mulher.

    20 de janeiro de 2021 at 19:35
    • Anônimo Responder

      Dois anos atrás,estive em Acari,(cidade onde minha mãe nasceu e depois em Natal onde meus primos comentaram os trabalhos da atriz Rejane Medeiros.Sem saber eu já admirava o trabalho dela e do grande músico Everton Gismont.Meu nome é Celia,resido em Taguatinga-DF.

      21 de janeiro de 2021 at 22:26
  • Ivanilsa Freire da Rocha Responder

    Parabéns!

    20 de janeiro de 2021 at 11:50
    • Vera Lúcia Araújo de Oliveira Responder

      Muito bom saber que uma mulher conseguiu vencer todos os obstáculos e realizar seus sonhos de infância. Nunca tinha ouvido falar em Rejane. Obrigada por informações tão importantes.

      22 de janeiro de 2021 at 04:29
      • Lúcia Medeiros vital Responder

        Oi minha conterrânea TB sou de acari

        22 de janeiro de 2021 at 08:48

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.