COVID-19: um dia glorioso para a ciência brasileira. Dr Cadegiani encontra a cura pra pacientes graves; 92% de redução nas mortes

É um estudo “padrão ouro”. É duplo cego e controlado por placebo. Ou seja, cumpre todos os protocolos para agradar os mais exigentes analistas da televisão.

Divulgação

Ontem foi um dia glorioso para a ciência nacional. Foi divulgado o resultado de um estudo brasileiro muito aguardado na comunidade médica. Representa virtualmente a cura da COVID-19.

Já pode ser considerado como a “bala de prata” em pacientes com a doença avançada, com comprometimento nos pulmões.

É um estudo “padrão ouro”. É duplo cego e controlado por placebo. Ou seja, cumpre todos os protocolos para agradar os mais exigentes analistas da televisão.

O ensaio clínico envolveu 590 pacientes no total, no qual 294 foram tratados com medicamento e o restante recebeu placebo, além do suporte clínico padrão das instituições em que estavam internados. O grupo de tratamento do estudo recebeu Proxalutamida, um medicamento ainda em desenvolvimento, produzido pela Suzhou Kintor Pharmaceuticals, uma empresa da China.

A Proxalutamida nasceu como objetivo de combater o câncer. “Não é muito caro nem parece ser difícil de fabricar. A empresa que desenvolveu está em conversa com vários fabricantes”, afirmou Matheus Ferreira, especialista em Farmacologia Clínica.

O estudo, realizado no em 12 hospitais de 9 municípios do Amazonas, envolveu pacientes hospitalizados com a idade média de 53 anos, com saturação de oxigênio abaixo de 90% em ar ambiente, ou seja, precisariam obrigatoriamente de oxigênio suplementar, de preferência em alto fluxo. No início da medicação, 97% dos pacientes precisavam de oxigênio continuamente, sendo que 67% estavam em ventilação não invasiva ou em alto fluxo. Eram pacientes bem adiantados na doença, quase candidatos a intubação.

Após 14 dias, os resultados foram impressionantes:
• 3,7% de mortes versus 47,6% no grupo placebo.
• Dias de hospital: 5 versus 14.
• Intubação: 4,4% versus 52,7%.
• Retirados do oxigênio: 92,5% versus 33,3%.
• Ainda hospitalizado no dia 14: 32,8% versus 89,1%.
• Tempo para melhora clínica: 3 dias versus 19 dias.
• Efeitos colaterais graves: nenhum.

Flavio Cadegiani, o cientista brasileiro líder desse estudo, mestre e doutor em Endocrinologia Clínica pela Unifesp/EPM, possui muito prestígio no exterior. Ele é editor chefe de uma das revistas da Nature, uma das editoras mais conceituadas do meio, e já vinha fazendo um trabalho fantástico durante toda a pandemia, com alta produtividade.

Antes, Cadegiani coordenou diversos ensaios clínicos, entre eles, um com Ivermectina, Hidroxicloroquina, além de Nitazoxanida e outro com Dutasterida. Ele anunciou excelentes resultados em ambos os ensaios. Entretanto, ele não recebeu destaque na grande mídia. “O Cadegiani é um herói. E a imprensa ignora”, afirmou Claudia Paiva, professora de imunologia da UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro. “Ele colocou R$ 500 mil do próprio bolso para fazer ensaios clínicos. Quem faria isso?”, questionou Paiva.

Na verdade, na grande mídia brasileira, Cadegiani tem sofrido má vontade de mentes coloniais. Ele foi associado a fake news em matérias desonestas, como a redigida por Leandro Demori, do site The Intercept Brasil. “Chamada que induz a um erro”, desabafou o cientista em seu Facebook, ao comentar o artigo.

Sem desanimar com os ataques, antes de iniciar esse estudo em Manaus e produzir esses resultados impactantes, Cadegiani teve outras preocupações e contatou, previamente, o fabricante, já adiantando a possibilidade de sucesso que ele acreditava que alcançaria. Ele conseguiu um compromisso da empresa em não aumentar o preço do medicamento, em caso de sucesso. “É o que eu ‘cobrei’ por não cobrar absolutamente nada para pesquisar uma molécula em que eu acredito”, afirmou o cientista.

Ou seja, Cadegiani fez dois gols de placa no mesmo jogo. Além de tornar-se um dos maiores cientistas do mundo por encontrar múltiplos medicamentos com alta eficiência, ele mostrou-se um humanista preocupado com o uso posterior, na prática, de atendimento diário dos pacientes.

“Isso deveria ser destaque na mídia e o Ministério da Saúde deveria chamar os autores para tentar implementar no SUS”, complementou Ferreira.

“Por mais cético que eu seja, ainda é difícil acreditar em nossos próprios resultados. A redução da mortalidade acima de 90% parece boa demais para ser verdade. Mas esses são os números”, afirmou Cadegiani sobre seu próprio estudo.”Até onde sabemos, a proxalutamida é o primeiro medicamento a demonstrar eficácia contra a nova variante P.1 SARS-CoV-2 altamente transmissível e patogênica”, complementou.

Se esta notícia espetacular, com imenso potencial de esvaziar brevemente os hospitais e UTIs do Brasil e do mundo todo, salvando centenas de milhares, não estiver na capa de todos os jornais nos próximos dias, com grandes reportagens, trata-se de uma continuação do que venho denunciando ser um crime contra a humanidade: o bloqueio de tratamentos eficazes.

Em relação ao resultado ter sido por entrevista coletiva, Cadegiani afirmou: “Anunciamos os resultados da mesma forma que a Universidade de Oxford fez com 6 mg de dexametasona e a maioria das vacinas o fez. Se você quiser esperar que a versão publicada para acreditar, acho que é uma boa maneira de fazê-lo. Não culpo ninguém que duvide dos resultados – eu mesmo fiz.”

“Crise de compaixão”

Em recente PodCast, o Dr. Peter McCullough, internista e acadêmico de Dallas, Texas, um dos mais respeitados cientistas liderando a resposta à pandemia, sendo o primeiro que publicou um orientação para o tratamento precoce, classificou a demora das autoridades e dos médicos em aderir protocolos com eficientes resultados práticos como uma “crise de compaixão”. McCullough também foi  testemunha especialista no Senado dos EUA, onde participou da audiência sobre tratamento precoce perante o Comitê de Supervisão do Senado sobre Segurança Interna e Assuntos Governamentais.

Veja o vídeo da coletiva de imprensa:

Apoiados pela Samel, uma respeitada operadora de saúde do Norte do Brasil, os participantes do estudo foram: Flavio Cadegiani, J. McCoy, C. Wambier, S. Vaño-Galván, J. Shapiro, A. Tosti, R. Zimerman e A. Goren.

 

Compartilhe:

Comentários (51)

  • Tom Barros Responder

    Só vejo comentários dizendo que é a melhor notícia do ano… E ninguém assiste a isso na grobo etc caterva.
    Alguém tem dúvida das intenções dessa mídia esquerdista?

    22 de março de 2021 at 23:28
  • marcos Responder

    Muito bom e útil este site.
    Gostei muito!
    Parabéns!

    21 de março de 2021 at 09:19
  • flavio Responder

    Os canalhas petistas vão achar um jeito de desmoralizar , mas a cura virá, para a raiva da bandidagem que não achará mais onde roubarc hipócritas de merda , vamos apoiar o que salva vidas , este site , que ironizou , deveria incentivar, vamos salvar vidas …

    20 de março de 2021 at 15:59
    • Sil Responder

      Filho os petista nem comanda mais esse país . Esqueceu que agora e o Bolsonaro que nem máscara usa e quer que o povo aglomera. Acorda mané

      21 de março de 2021 at 11:08
      • Sebastião Mariano Laranjeira Filho Responder

        Está de parabéns com esse estudo em favor da vida, que venha Urgentemente, para salvar vidas

        4 de abril de 2021 at 09:03
  • Victor Mattos Responder

    Curioso e decepcionante é não vermos repercussão e desdobramento deste trabalho. Alguém sabe se a bicalutamida e/ou a enzalutamida produzem efeitos similares?

    18 de março de 2021 at 23:56
  • Edson Responder

    Infelizmente essa descoberta vai na contramão de muitos interesses.

    18 de março de 2021 at 21:08
  • ERIVALDO NASCIMENTO NOGUEIRA Responder

    Foi publicado em alguma revista científica?

    18 de março de 2021 at 10:20
    • Marques Gomides Responder

      Essa notícia agrada e traz esperança aos corações afritos mundo a fora.

      18 de março de 2021 at 22:53
      • Anônimo Responder

        MVbn.WN?na%bbbSSSybbbbbbwbDZSESS5Sbbb]ZbbbbbbbsbSbsbbbeSS]b5b?b5bmumyb?BłbbgvgNBfnbn hnHyYvVbnnbNm..mmtunbngrKVCDfByYnv nNBGn:HrhBBiVGbNJ.bvN7&ynYffG BGfBBBnnbG?BnnbnNGBNGBH6NvffM-oNM 6h5yNBImfn;uMyYnM8nMIM?67gmyY?8uYjuHj&NUiI&uk6/NU&myM&bjJNNgnmNYm

        20 de março de 2021 at 09:29
        • Anônimo Responder

          Porque a mídia não deu o devido crédito a esse medicamento..?

          30 de março de 2021 at 16:04
    • Anônimo Responder 19 de abril de 2021 at 13:30
  • João Maria Responder

    Por que não testou em todos e o número de mortos seria menor, já que nos outros hospitais morre um monte? Azar de quem tomou placebo, digo, farinha.

    17 de março de 2021 at 15:34
    • Edilane Responder

      Porque era um teste.

      17 de março de 2021 at 17:10
      • Milton Responder

        Otima noticia q deus o abençoe

        19 de março de 2021 at 15:17
      • João Maria Responder

        Qual o critério para escolher quem teria chance de sobreviver ou com certeza morreria, pois estava tomando “farinha”? As pessoas concordaram com este sorteio? Onde fica a ética nisso?

        19 de março de 2021 at 18:47
        • Tânia Responder

          Com certeza, qdo a pessoa aceita participar da pesquisa ela é b totalmente orientada com todas as possibilidades e ninguém sabe quem recebe o que. Isso é duplo-cego.

          21 de março de 2021 at 21:34
  • nelson Responder

    realmente é uma noticia boa, todavia, considerando a crise econômica que estamos vivenciando, é extremamente relevante saber o preço que vai ser pago, dependendo o preço vai ficar muito dificil adquirir o medicamento, creio ser esta uma preocupaçao pertinente no momento.

    16 de março de 2021 at 23:22
  • Marlene berte Responder

    Deus zeje lovado. Encontraram a resposta para o covid. Parabéns aos médicos . Parabéns aos brasileiros. Iremos curar o mundo.

    15 de março de 2021 at 14:39
    • julio Responder

      tu nem escrever sabe
      deve ser crentelha

      18 de março de 2021 at 11:44
      • Debora Sodre Responder

        Parabéns, ao MMédicos e Pesquisadores, que a mídia faça a divulgação para o mundo sobre essa descoberta de um medicamento que pode salvar vidas tanto nos hospitais SUS como particulares.
        Obrigada

        21 de março de 2021 at 11:43
    • GomesMara Responder

      Tenho que acreditar que o governo federal pague o preço que for, pois já estamos pagando um preço muito alto pelas vidas perdidas!!

      18 de março de 2021 at 17:29
  • Jose Lopes Responder

    Parabéns Dr e sua equipe corajosa e determinada, não temas, continue firme. que que Deus continue te abençoando e te protegendo.
    Obrigado.
    PS:
    É a primeira vez que faço comentários sobre este brilhante trabalho.

    14 de março de 2021 at 23:54
    • Marques Gomides Responder

      Essa notícia agrada e traz esperança aos corações afritos mundo a fora.

      18 de março de 2021 at 22:54
  • Victor Mattos Responder

    Alvíssaras. Nos parece uma excelente notícia. Qual o motivo de não estar a ocorrer repercussão deste ensaio? Qual o nome comercial do remédio que contém a proxalutamida?

    14 de março de 2021 at 22:19
  • Dagoberto tormena Responder

    Que Deus o abençoe e que sua medicação acabe com essa pandemia não só no Brasil como no MUNDO TODO.

    14 de março de 2021 at 14:54
    • Ivanilsa Freire da Rocha Responder

      Que Deus lhe conceda sabedoria sempre.

      15 de março de 2021 at 00:12
  • Helena Responder

    Que Deus consiga tocar no coração das pessoas que tem o poder para autorizarem a fabricação do medicamento da cura desta pandemia que assola o mundo .

    14 de março de 2021 at 13:06
    • ANTONIO CARLOS BRISOLLA DOS SANTOS Responder

      Melhor notícia do ano!!!! Quê todos nós possamos ser privilegiados por essa descoberta!!!! Agradeço muito as pessoas quê de dia ou de noite sempre correndo atrás da cura desse mal…….

      14 de março de 2021 at 19:48
  • Vilson Raile Responder

    DEVAGAR COM O ANDOR QUE O SANTO É DE BARRO.

    14 de março de 2021 at 06:33
  • maligno do mal Responder

    Não foi esta equipe de Manaus que matou 11 ou 12 pacientes com superdose de ivermectina tentanto provar que a medicação indicada por Bolsonaro fazia mal??? Bandidos.

    13 de março de 2021 at 21:43
    • Anônimo Responder

      Nao é a toa qie vc se chama MALIGNO.

      15 de março de 2021 at 00:26
      • Tânia Maria Responder

        Gente,boa noite!
        Ñ é hora de discursão,devemos nos unir em oração e pedir a virgem maria que passe a frente,e conceda toda sabedoria, tanto para o grupo quê está representando o medicamento, para que realmente seja eficaz, quanto para nossos governantes, que estão de boas,e nem sabem quantas famílias estão penando nesse mundo de meu “*Deus*”!

        18 de março de 2021 at 22:33
    • Rafael Responder

      Primeiro, não foi ivermectina e, sim, cloroquina. Segundo que não foi, esse grupo de cientista, e nem esse hospital, que protagonizaram a tal bizarrice.

      15 de março de 2021 at 13:38
    • Soberano Responder

      Ignorante do mal, se informe antes de falar M….

      17 de março de 2021 at 19:38
  • Rosilda Rodrigues da Silva Responder

    Que Deus seja louvado e abençoe todos atendidos pelo por pessoas enviadas pelo grande homem

    13 de março de 2021 at 19:57
    • Tânia Maria Responder

      Gente,boa noite!
      Ñ é hora de discursão,devemos nos unir em oração e pedir a virgem maria que passe a frente,e conceda toda sabedoria, tanto para o grupo quê está representando o medicamento, para que realmente seja eficaz, quanto para nossos governantes, que estão de boas,e nem sabem quantas famílias estão penando nesse mundo de meu “*Deus*”!

      18 de março de 2021 at 22:31
      • Antonio A. Vieira Responder

        No moennto deveriamos nos unir em torno de todos que buscam soluções para um problema tão serio e não ficarmos criticando ou apoiando antes de nos sertificarmos da eficiencia de cada proposta em busca de soluções, a critica ou elogio sem conhecimento do problema não ajuda, apenas compilca, desestimulabdo os dedicados e potencializando os oportunistas.

        19 de março de 2021 at 11:16
  • Ana Responder

    Que Deus o ilumine mais Dr. Cadegiane! QUE essa medicação seja de fato a bala de ouro para salvar vidas . O sr. Colocou seu dinheiro nessas pesquisas, imensa gratidão, e o retorno do alto lhe proporcionará mais prosperidade e abundância, pois qd. A intenção é ampla para atinje e ainda salva vidas, meu Deus que lindo. Gratidao!

    13 de março de 2021 at 18:33
  • Anahid_br Responder

    E aí? Vão usar também nos pacientes das UTIs? Ou ninguém vai usar pq não está na mídia? 👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻Para toda a equipe de pesquisadores!

    13 de março de 2021 at 08:32
    • Jose Lopes Responder

      Parabéns Dr e sua equipe corajosa e determinada, não temas, continue firme. que que Deus continue te abençoando e te protegendo.
      Obrigado.

      14 de março de 2021 at 23:53
    • Gilmar marçal dos Santos Responder

      Que Deus seja um instrumento na mão destes médicos.

      18 de março de 2021 at 22:18
  • Graças Responder

    Não acredito em mais nada. Mais de 270 mil mortes que só cresce. Com essa descoberta já deveríamos estar vendo esse milagre acontecer.Infelizmente as mortes aumentam assustadoramente no país em especial.

    13 de março de 2021 at 06:27
    • Reginaldo Responder

      Como querer um resultado Nascional de um medicamento que ainda está em fase de teste em infernos que representa menos de 0,05% dos hospitalizados??

      14 de março de 2021 at 13:07
  • Valério Responder

    Parabéns Drs, o BRASIL precisa de médicos de verdade como todos os que participaram do estudo!
    Vale este!

    12 de março de 2021 at 20:57
  • Valério Responder

    Parabéns Drs, o BRASIL precisa de médicos de verdade como todos os que participaram do estudo!

    12 de março de 2021 at 20:56
  • Valério Responder

    Parabéns é e será a alegria de nosso povo e de nosso PAÍS’

    12 de março de 2021 at 20:52
  • Ivanilsa Freire da Rocha Responder

    👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽

    12 de março de 2021 at 12:01
    • Alberto Andrade Responder

      O chefe do gabinete do Séc. Saúde do Está. AM o nome dos hospitais. No EUA o órgão CDC Control Descesse Center. Analisa o protocolo das doenças. Recomenda o protocolo do medicamento, não pelo nome do medicamento mas o princípio do remédio. Pesquisei National Hesalth Service NHS, o SUS inglês. Não vi nenhuma informação. Pergunto porque.!!!

      26 de março de 2021 at 10:16
  • Ivanilsa Freire da Rocha Responder

    Que Deus esteja presente nesses procedimentos.🙏🏽🙏🏽

    12 de março de 2021 at 12:00

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.