EDUCAÇÃO FÍSICA E SAÚDE: PROFISSIONAL É ESSENCIAL NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS

ILUSTRAÇÃO

Em 1 de setembro de 1998, a Lei Federal 9696 regulamentava a profissão de Educação Física no Brasil. A partir daí, a data ficou conhecida como o Dia do Profissional de Educação Física, reconhecido hoje como um especialista essencial para a prevenção de doenças e a saúde pública.

Um recente estudo publicado na Sports Medicine, principal revista científica da área, demonstrou o impacto direto da quantidade de passos diários e seu reflexo na mortalidade por todas as causas. Ou seja, comprova o fator protetor da atividade física na saúde.

Para o professor da academia Pulse, Wesley Pinheiro, os benefícios do exercício para o corpo já são conhecidos. Mas a constância ainda é um desafio. “Já parou para pensar por que tantas pessoas ainda são sedentárias ou desistem com frequência do exercício físico?”, questiona. “É aí que entra o profissional de Educação Física”.

ILUSTRAÇÃO

“Somos responsáveis por criar as possibilidades para que o indivíduo se exercite de maneira segura, prazerosa e eficiente”, explica o professor. “O profissional que não se atenta ao contexto que envolve a vida de uma pessoa pode fracassar na prescrição antes mesmo de começar”.

Além disso, segundo Wesley, o profissional de Educação Física vai ensinar o movimento com a técnica adequada, respeitando limitações e promovendo o desenvolvimento muscular sem a presença de dores. “Também seremos aqueles que vão motivar o aluno a dar o seu melhor sempre”.

De acordo com o professor da UFRN e consultor da Pulse Leônidas Oliveira, 90% das pessoas que começam a se exercitar desistem ao final de um ano. “Com a presença de um profissional capacitado, estes números melhoram significativamente, e as pessoas têm percebido isto, porque nem sempre sozinhas conseguem dar continuidade ou alcançar seus objetivos”.

“Irmão mais novo” na Saúde

O profissional de Educação Física pode atuar em diversas áreas, desde escolas até ambientes hospitalares. Porém, segundo Leônidas, dentre as áreas possíveis, a atenção aos grupos especiais (idosos, diabéticos, hipertensos etc.), hipertrofia e emagrecimento têm ganhado maior espaço.

“Quando pensamos em saúde pública, temos que focar no aumento de massa magra e redução de massa gorda”, analisa Leônidas.” Quando pensamos, porém, na estética e ganho de massa muscular, vemos que os estudos têm buscando informações cada vez mais específicas sobre o treinamento e o melhor exercício para o desenvolvimento de cada grupo muscular”.

Para o consultor, a Educação Física é “o irmão mais novo dentro das outras áreas da Saúde”, porque ainda há muito para compreender. “A todo momento nos deparamos com paradigmas sendo recriados e mitos sendo destruídos, mas a beleza da ciência está justamente na possibilidade de nos moldarmos conforme novos dados são apresentados”.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.