HISTÓRIA: UM LUGAR EM NATAL CHAMADO CIROLÂNDIA

Natal é uma cidade cheia de cicatrizes que contam a sua história. O bairro de Petrópolis, embora seja um bairro de “rico” para alguns, já tem as suas marcas para contar. Uma delas é a Cirolândia, uma antiga vila de casas na região, onde hoje se encontra totalmente abandonada e fica próximo da Rua Trairi. O nome é referência ao criador da vila, o empresário Ciro Barreto, que construiu não só casas, mas também importantes hotéis da cidade.

A inspiração em fazer a Cirolândia veio quando o empresário estava no Rio de Janeiro, quando via as mais diversas vilas de casas nobres em bairros da zona Sul. Então, nos anos 40, pegou o terreno que pertencia à família dividiu em lotes e construiu enormes casas na região. Diferentemente as vilas cariocas, as casas da Cirolândia estão abandonadas, apesar de ser um ponto de referência até hoje por pessoas mais antigas da cidade.

A região da Cirolândia compreende as casas da rua Trairi até a entrada de Mãe Luíza e próximo do Alto do Juruá. Pesquisando nos antigos jornais da cidade, as casas tinham três quartos, dois banheiros sociais, cozinha, dependência de empregada, garagem e quintal. Algumas casas, no entanto, chegavam a ter espaço ainda maior. Ou seja, uma casa de condomínio fechado. Além disso, a maior parte dos moradores vieram de famílias tradicionais.

Foi reconhecido bairro pela Prefeitura, mas hoje se anexou, portanto, ao bairro de Petrópolis.

FOTOS

A foto acima, por exemplo, mostra uma remanescente casa da Cirolândia, vinda do Google Maps. As imagens, abaixo, no entanto, são de Roberto Millions, do grupo Fatos e Fotos Natal das Antigas.

Ciro faleceu em 27 de junho de 2010, na Casa de Saúde São Lucas, aos 98 anos de idade devido a uma insuficiência respiratória.

 

FONTE: BRECHANDO

Compartilhe:

Comentários (12)

  • Paulo Sérgio Camilo Responder

    As pessoas que residiram na Vila é quem pode contar a verdadeira história.

    4 de outubro de 2021 at 08:34
    • Redação Responder

      Bom dia. Conversei com Guilherme e vamos avançar nesse sentido. Obrigado pela participação.

      4 de outubro de 2021 at 10:15
  • Leila Rezende Responder

    Vivi toda minha infância e parte da adolescência nesse bairro. Sempre que vou a Natal passo na rua Renato Dantas ,onde morava, para matar as saudades! Esse bairro poderia ser tombado, revitalizado e transformado num local voltado para a cultura!

    3 de outubro de 2021 at 15:46
    • Redação Responder

      Bom dia. Conversei com Guilherme Cantídio e vamos avançar para fazer um resgate da Cirolância. Obrigado pela participação.

      4 de outubro de 2021 at 08:42
  • Guilherme Frederico Figueiredo Cantidio Responder

    Reportagem deixou um gostinho de quero mais. Excelente ideia, mas com pouquíssimo conteúdo. A Cirolândia tem muita história e antigos moradores (como eu), hoje espalhados pelos diversos bairros da cidade, gostariam de ler mais a respeito da Cirolândia dos anos 1960. Fica a sugestão de uma reportagem mais abrangente.

    2 de outubro de 2021 at 18:15
    • Redação Responder

      Enviamos resposta via email.

      3 de outubro de 2021 at 08:33
      • Anônimo Responder

        A minha continua intacta e habitada.

        3 de outubro de 2021 at 12:12
      • Kenya Grunauer Responder

        Gostei de saber notícias da Corola dia, pois moro aí da nesse trecho de Petrópolis, só acho que exageraram em dizer que a Cirolandia está totalmente abandonada, é verdade que tem algumas casas abandonadas, mas não são todas. Inclusive esse sobrado de cor creme que era do professor Vicente Almeida, hoje dia 03 de outubro, se encontra reformado e com a preservação da fachada, havendo uma modificação no muro. Sou Kenya Maria Lemos Fernandes Grunauer, filha do jornalista José Mussolini Fernandes (in memorial) morador da Cirolandia desde a década de 60, cuja residência está totalmente reformada e onde trabalho e resido com minha família até hoje.

        3 de outubro de 2021 at 14:49
        • Redação Responder

          Bom dia. Conversei com Guilherme Cantídio e vamos avançar para fazer um resgate da história e da atual situação da Cirolância. Obrigado pela participação.

          4 de outubro de 2021 at 08:43
      • Maria Auxiliadora Guerra Rubeiro Responder

        Minha mãe era corretora na época, Alzira Gurgel Guerra, mãe também de um dos moradores ilustres, José Gurgel Guara, e contribuiu para a expansão do bairro, vendendo muitos lotes deste condomínio. Trago gratas recordações deste bairro e concordo com Guilherme Frederico, merecia uma reportagem mais abrangente.

        3 de outubro de 2021 at 22:11
        • Redação Responder

          Bom dia. Conversei com Guilherme e vamos avançar nesse sentido. Obrigado pela participação.

          4 de outubro de 2021 at 08:35
          • Norberto B.de Faria

            Chegamos na Cirolandia em jan52 quando Meu Pai Andrônico Batista de Faria concluiu nossa casa, ainda preservada, porem fechada desde a venda efetuada em 2010.
            As duas casas fotografadas a da esquina foi morada por Dr. Jose Nilson de Sa e posteriormente pelos Gerentes da Inglesa Western. A outra, foi residência de jose Rezende e depois do Professor Vicente Almeida casado com a Professora Raimundinha Burlamaqui!

            13 de outubro de 2021 at 10:10

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.