O AMOR QUE A MUDANÇA LEVOU (MINERVINO WANDERLEY)

REPRODUÇÃO

Tinha 13 para 14 anos quando nos mudamos para o novo bairro. Naquela idade, não perguntávamos aos pais as razões desse tipo de coisa. O negócio era ir – de preferência no caminhão -, olhar para a antiga morada, dar um adeus e tocar em frente. Sem sentimentalismos, coisa que eu só via naquelas novelas melosas que passavam na TV em preto e branco.

Na nova casa, na nova paisagem, procurava logo onde tinha um campinho de pelada. Sempre havia. E por esse caminho começavam as primeiras amizades. Eu era tímido, mas a bola tinha o dom de me transformar num menino falador. Foi de grande ajuda durante toda a vida, Aliás, até hoje ainda dou umas carreiras atrás da danada da bola.

Até então tudo tinha sido igual aos outros lugares. Porém, nesse cantinho tinha uma coisa diferente. Terminada a pelada, vi que a turma não ia para suas casas. Todos se dirigiam para uma casa na qual tinha uma placa: “Vende-se poli.” Os novos companheiros perceberam que eu estava “liso” e Luiz Eduardo foi o primeiro a dizer para eu pegar o poli que ele pagava. Gostei da atitude dele e pedi um de mangaba.

Foi então que eu percebi a real razão dessa sede pelos polis. Quando fui pegar o meu das mãos de Dona Margarida, vi uma coisa que me deixou fora de órbita. A filha dela apareceu. Loirinha e linda como eu nunca havia visto. Os cabelos amarrados numa Maria Chiquinha deixou-a mais mimosa ainda. Senti uma coisa esquisita que ia da cabeça aos pés. Aquela visão ficou gravada na retina. Para onde eu olhava só via a loirinha. Nem almoçar nesse dia eu quis.

De tarde, como era sábado, fiquei em casa fazendo o velho “dever”. Quando a noite deu as caras, tomei um banho, jantei e espiei para a pracinha. A turma da pelada estava toda lá. Também fui, afinal já tinha conhecido alguns meninos. Ao me aproximar, o coração acelerou e fiquei de novo no mundo da lua. Perto do grupo dos meninos também havia um grupo de meninas. E sabem quem estava lá de vestido vermelho e com os cabelos dourados soltos ao vento? Exatamente. Rebecca (com dois C), a filha de Dona Margarida. Esse era o nome dela.

Fiz de conta que não estava olhando, mas os caras perceberam e me deram um banho de água fria: “Não adianta. Ela não quer nada com a gente”, disse um. “Ela já falou que espera um príncipe montado num cavalo branco”, falou outro. Perdi a graça. Estava muito longe de ser um príncipe, ainda mais em cima de um cavalo.

Mas, assim como nas peladas eu gostava de jogar contra times fortes, encarei esse desafio e fiquei olhando para ela. E não é que ela deu aquela olhadinha de lado e ainda com um sorrisinho? Passei a noite olhando para o teto só pensando nela. Estava completamente apaixonado.

Amanheci primeiro do que o sol. Era domingo, Dona Margarida era católica fervorosa e a missa começava às 7h. Claro que Rebecca (com dois C) também iria. Botei a melhor roupa: uma calça Far-West, uma camisa Ban-Lon azul e os sapatos Vulcabrás. Estava no fio.

Entrei na igreja e vi logo os cabelos dela. Fui rápido e me sentei ao seu lado. Dona Margarida me olhou e fez aquela cara que espanta qualquer um. Fiz o gênero “coitadinho” e ela se virou para o altar. Aí o negócio ficou bom. Rebecca (com dois C) virou um pouquinho o rosto e perguntou se eu era católico. Se eu não era passei a ser naquele momento. Durante a missa – com devido perdão – coloquei minha mão sobre a dela. Ela deu um risinho e eu quase que tive um negócio, tamanha era a velocidade das batidas do coração. “A igreja é a antessala do Paraíso”, pensei.

Começamos a namorar, pegando na mão e tudo. Até que chegou o grande dia. Tomei coragem, abracei-a e beijei sua boca. Foi bom demais. Ela também gostou, já que começou a alisar meus cabelos. Fiquei em estado de graça, como se estivesse a flutuar nas nuvens. A vida era colorida e tudo era bonito. Era um verdadeiro sonho que repetiu durante bem uns três meses ou mais. A gente se encontrava de qualquer jeito. Quando a noite chegava, era a certeza de tê-la sentada no banco da pracinha ao meu lado, de mãos dadas, entre doces beijos. Rebecca (com dois C) ficava cada dia mais linda e mais carinhosa. Amor de cinema. Acordava feliz e ia dormir mais ainda. Era a felicidade que havia batido à minha porta.

Dizem que todo sonho tem um fim, mas o meu mudou logo para pesadelo. Quando fui ao colégio me encontrar com ela, veio a notícia dita com voz chorosa e olhos já soltando lágrimas. “A gente vai se mudar”, ela murmurou. Eu me animei e disse que onde ela estivesse eu iria me encontrar com ela. Que nada. Aos prantos, minha Rebecca (com dois C) disse que iam para o Rio de Janeiro, porque o pai era militar e tinha sido transferido para lá. E era coisa urgente.

Recebi a notícia e me senti caindo das nuvens. Havia um pé de fícus frondoso e lá, sob a sombra,  nos abraçamos e choramos por um doloroso tempo. Um enxugando as lágrimas do outro. Prometemos que todo dia íamos escrever um para o outro.

E, assim como a vi pela primeira vez, também era um sábado quando ela partiu. Sentada no banco de trás de um carro, jogou um beijo na minha direção. Que gosto amargo teve aquele beijo. Naquele dia não teve pelada. Nem muito menos poli de mangaba. Só aquela dor no peito até então desconhecida chamada saudade. Fui para casa, tranquei o quarto e deixei o choro cair solto sobre seu retrato. Tão linda e tão meiga, meu amor foi-se para nunca mais voltar.

A mudança levou Rebecca (com dois C) e, junto a ela, um pedaço do meu coração. (MW)

Compartilhe:

Comentários (2)

  • Aderson Ulrico de Oliveira Cavalcanti Responder

    Adorei!!!

    10 de novembro de 2021 at 21:09
  • Cyra Responder

    Como sempre seus contos são recheados de muita sensibilidade. O florescer do primeiro amor,narrados com muitos detalhes e retratando a época, está por demais maravilhoso. Parabéns.

    10 de novembro de 2021 at 18:35

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.