O APITO FINAL 

Por Minervino Wanderley  

E o Grande Juiz deu por encerrado o jogo.  

Naquele dia, não houve comemorações por vitórias.   

Naquele dia, a torcida era uma só.  

Naquele dia, o mundo inteiro parou.  

Naquele dia, os olhos fixos nas televisões demonstravam perplexidade.  

Naquele dia, não houve aquela pelada no interior da África.  

Naquele dia, todas as bolas do mundo se recusaram a ser maltratadas por pés toscos.  

Naquele dia, as traves se fecharam, como se recusassem a receber entre elas um gol qualquer. 

Naquele dia, os apitos se silenciaram.  

Naquele dia, os juízes trocaram seus cartões por lenços.  

Naquele dia, os narradores ficaram mudos.  

Naquele dia, todas as partidas terminaram zero a zero.  

Naquele dia, os repórteres desligaram seus microfones.  

Naquele dia, a Terra se fez redonda como uma bola e chorou.  

Naquele dia, os oceanos se juntaram e, em uníssono, deixaram correr uma onda de lágrimas.  

Naquele dia, Gardel cantou um triste tango.  

Naquele dia, Evita chorou ao falar para o povo.  

Naquele dia, Jorge Luis Borges fez uma poesia de adeus.  

Naquele dia, o sol que brilhava na bandeira argentina ficou opaco.  

Naquele dia, o Obelisco se abaixou e abraçou seus irmãos.  

Naquele dia, a Casa Rosada perdeu a cor.  

Naquele dia, O Cristo Redentor virou seus braços na direção dos portenhos.  

Naquele dia, não se comeu pizza em Nápoles.  

Naquele dia, o Parque dos Príncipes virou plebeu.  

Naquele dia, o Coliseu sentiu a tristeza dos gladiadores lá sepultados.  

Naquele dia, o Estádio Azteca se apequenou de saudade.  

Naquele dia, La Bobonera sentiu a dor da perda do seu filho querido.  

Naquele dia, torcedores do River Plate e Boca Juniors se abraçaram.  

Naquele dia, o livro do futebol virou sua mais bela página.  

Naquele dia, eu chorei! 

Compartilhe:

Comentários (10)

  • Jacqueline Gomes Responder

    Naquele dia eu também chorei!
    Linda crônica! Merecida homenagem a esse talentoso, ousado e grande Dieguito!!

    26 de novembro de 2020 at 21:09
  • Adriano Responder

    Aplausos (Via whatsapp)

    26 de novembro de 2020 at 15:29
  • Agamenon Responder

    Sensacional, lindo texto meu ídolo.
    🥅⚽️🏃‍♂️naquele dia as redes não balançaram. (Via whatsapp)

    26 de novembro de 2020 at 15:27
  • Ivanaldo Silveira Responder

    Belíssimo! Parabéns pela linda crônica sobre esse gênio do futebol! (Via whatsapp)

    26 de novembro de 2020 at 15:24
  • Gilberto Bilro Responder

    Parabéns! Sensacional! (Via whatsapp)

    26 de novembro de 2020 at 15:22
  • Leandro Responder

    Ficou top!!! (Via whatsapp)

    26 de novembro de 2020 at 15:21
  • Socorro Mariz Responder

    Crônica linda , perfeita !!! (Via whatsapp)

    26 de novembro de 2020 at 15:19
  • MARCUS GUEDES Responder

    Para quem ama o futebol e aprendeu a gostar de quem trata a bola com carinho e maestria, dói saber que Dom Diego Maradona carimbou o seu passaporte, e empreendeu a “Grande Viagem”!
    Belo texto, meu irmão Minervino!!
    Independentemente dos problemas que permearam a sua vida e que, inapelavelmente, foram a verdadeira razão da sua partida, Dom Diego merece a nossa mais profunda admiração e elevado respeito!!!
    Que ele descanse em Paz!!!!

    26 de novembro de 2020 at 11:33
    • Jacqueline Gomes Responder

      Naquele dia eu também chorei!
      Linda crônica! Merecida homenagem a esse talentoso, ousado e grande Dieguito!!

      26 de novembro de 2020 at 21:12

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.