Quando eu tiver 67 anos (Minervino Wanderley)

Hoje é 05 de julho de 1971. Completo 17 anos e quero imaginar como serão as coisas daqui a 50 anos. Antes, fiz uma lista de alguns desejos que hoje peço a Ele:

Estar vivo; ter duas filhas e três netos; continuar correndo atrás de uma bola com meus amigos; ver o Alecrim sendo destaque no futebol; ter os meus semelhantes todos com muita saúde; e viver namorando com uma morena sortuda. Isso tudo, é claro, num mundo pleno de paz.

À Nossa Senhora, peço que pegue na minha mão e me conduza na estrada da vida e que me dê saúde, paz, um amor para a vida inteira e dinheiro para viver com dignidade.

Já pelos responsáveis por minha existência, rogo para que meu pai, Emílio Salem Dieb, que partiu precocemente aos 44 anos, esteja em paz no seu merecido lugar e que mamãe, Martha Wanderley Salem, fique pelo menos até completar um século de vida. Acho que São Pedro – é ele quem abre as cartas de desejos – vai pedir ao bom Deus que atenda aos apelos.

Quando eu tiver 67 anos …ficando velho, perdendo os cabelos, daqui a muitos anos… Parece Paul McCartney em “When I’m Sixty Four” com três anos a mais. Adoro esses caras. Aliás, não sei por que Lennon inventou de casar com aquela japonesa sem bunda, a tal de Yoko Ono. Trouxe a discórdia para dentro do grupo e no ano passado eles se separaram. Bem, vamos deixar os ingleses de lado. (Mas o que danado de bom tem aquela japona?)

Quando eu tiver 67 anos, o mundo deverá ser bem evoluído e cheio de modernidades. Afinal, há dois anos os americanos foram à Lua. Muita tecnologia, bicho. Do jeito que as coisas vão, em breve teremos remédios eficazes para doenças complicadas e até agora incuráveis. Nesse universo imaginário, a Educação será priorizada nos quatro cantos do mundo. Nele, a fome e a miséria deixarão de existir. Não teremos mais guerras nem governos ditatoriais. A Terra, bonita que só ela, será uma eterna Woodstock. Paz e Amor!

Quando eu tiver 67 anos, penso que a vida será uma espécie de materialização da imaginação de John Lennon, que uma vez disse numa entrevista ‘que o mundo viverá como um só’. Imagine que frase bonita! Acho que isso vai virar uma música contagiante e os povos serão todos como irmãos. Não acho que ele seja um sonhador nem o único a pensar assim. Como será massa esse mundo daqui a 50 anos!

Será? Receio que isso tudo que imagino corra o risco de não se concretizar. Sabe a razão? Tem um ser doente que me deixa encucado com relação ao seu futuro. E, sinceramente, não sei se o Homem, apesar de todo seu conhecimento, poderá curá-lo daqui até 2021. O tal paciente a que me refiro é exatamente o próprio Homem. Cheio de mazelas e, pior, não quer aceitar a situação grave em que se encontra.

Ficam perguntas: quando eu tiver 67 anos já existirão vacinas contra a intolerância, a falta de solidariedade, a ambição, o egoísmo e o desespero por mais e mais dinheiro? E contra a desigualdade e o preconceito? Sei não.

Mas serei otimista. Há coisas que dependem somente de nós. Eu, por exemplo, vou parar com essa história de ser hippie ou andarilho e vou voltar a estudar. Bolinha, meu companheiro de aventuras vai entender. E aí, quem sabe e como tanto deseja mamãe, serei médico como meus irmãos, Emílio e Caio. Se bem que Jornalismo é uma profissão muito bonita. Pode ser também que faça um concurso e comece logo a botar grana no bolso.

Vou me aquietar e serei um pouco mais “família”, manja? Sou um bom filho, mas posso melhorar. No resto, basta ser honesto, amigo leal, bom marido, bom pai e avô, só desejar ao próximo o que desejo para mim e sempre dar a mão aos mais necessitados. Resumindo, vou pegar emprestado uma frase de Renato Caldas, poeta do Açu das minhas origens: “Não vou consertar o mundo, mas serei um canalha a menos.”

Quando eu tiver 67 anos, no dia 05 de julho de 2021, verei se consegui acertar alguma dessas previsões.

Um abraço e até lá!

Compartilhe:

Comentários (7)

  • Pergentino Responder

    Parabéns, Minervino pela passagem de seu natalício. Felicidades!
    Parabéns pelo belo texto!
    Que bom que alcançou grande parte dos seus pedidos / desejos.
    Mas como é difícil curar esse bicho Homem, apesar dos avanços científicos e tecnológicos …. mas o sonho continua firme!
    (Versão corrigida)

    10 de julho de 2021 at 11:50
  • Pergentino Responder

    Parabéns, Mineirão pela passagem de seu natalício. Felicidades!
    Parabéns pelo no texto!
    Que bom que alcançou grande parte dos seus pedidos / desejos.
    Mas como é difícil curar esse bicho Homem, apesar dos avanços científico e tecnológicos …. o sonho continua firme!

    10 de julho de 2021 at 11:47
  • Emilia Mercia Responder

    Parabéns!!! Vivemos de sonhos com a expectativa q tudo será melhor. Eu acredito q a vida muda, nós envelhecemos mas a educação, a ética, a solidariedade e os princípios morais nunca mudarão pra quem tem objetivos cristãos. Grande abraço!

    5 de julho de 2021 at 15:18
  • Ivone Freire - Talher Responder

    Parabéns amigo querido! Que linda crônica a sua…tantos desejos bons e perspectivas acima da conta! Desejo tudo que há de melhor para você; a proteção de Deus, saúde, paz e harmonia. Bjão, feliz aniversário

    5 de julho de 2021 at 15:05
  • Anônimo Responder

    Parabéns Minervino, sábia postagem

    5 de julho de 2021 at 11:50
  • Josimar da Silva Responder

    Grande Maneuvino, mais uma vez demonstrou a sua veia jornalística, que desde cedo se manifestou em você. Parabéns, cara!!!

    5 de julho de 2021 at 10:13
  • Manoel de Oliveira Cavalcanti Neto Responder

    Terei que fazer uma contagem regressiva, porque quando fizer 67 anos, mais uma vez, estaremos em 2029.

    5 de julho de 2021 at 09:13

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.