TALVEZ FOSSE ASSIM…

Crédito: Sergey Nivens – Fotolia

 

Por Francisco de Sales Felipe

 

Talvez fosse assim. Um abandonar-se docemente.
Um deixar que tudo acontecesse nesse bom tempo.
Não se ouvia nada. A não ser os passos da gente.
Eu te entregaria, amada, a rua que tanto te esperou.
Eu te daria a lua no abajur que o tempo nos emprestou.
Somos dois até nos despir do mundo que nos impediu
De amar, amar silenciosamente. Amar desesperadamente.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

4 × cinco =