Covid-19: como a Islândia se tornou o primeiro país europeu a controlar o coronavírus

  • Jean Mackenzie
  • Da BBC News em Reykjavik – 24 março 2021
Oddly Margret Latansdottir em uma das piscinas reabertas na Islândia, assim como restaurantes e casas noturnas

Oddly Margret Latansdottir em uma das piscinas reabertas na Islândia, assim como restaurantes e casas noturnas – Divulgação

É fato que a Islândia é uma remota ilha no Atlântico Norte, com apenas um aeroporto internacional e uma população de menos de 500 mil pessoas. Então, seria fácil atribuir a essas circunstâncias o fato de o país ser o primeiro da Europa a praticamente se livrar da covid-19.

Mas se você disser isso aos islandeses, vai criar inimizades. Quando se olha para além da geografia e se analisam os detalhes, dá para entender por que a população local está orgulhosa de seu sucesso diante da pandemia.

Em uma recente noite de quinta-feira, jovens enchem um salão de karaokê em Reykjavik, a capital da Islândia. Eles cantam, se abraçam e trocam beijos.

Jovem islandesa em noite de karaokê

Jovem islandesa em noite de karaokê; vida na Islândia já voltou ao ritmo normal

É um exemplo de normalidade na vida cotidiana, junto com restaurantes reabertos, shows e tudo pelo que o resto da Europa e do mundo ainda anseiam. No momento da publicação desta reportagem, havia apenas 20 casos ativos de covid-19 na ilha. Uma pessoa está hospitalizada, em um país que contabilizou apenas 29 mortes no total, ou 8,5 a cada 100 mil habitantes (no Brasil, esse índice é de 142,1).

“Vinha me preparando para esta pandemia havia 15 anos”, diz à BBC Thorolfur Gudnason, epidemiologista-chefe da Islândia, quando questionado sobre como gerenciou a situação desde o princípio.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.