Francisco de Sales Felipe


TALVEZ FOSSE ASSIM…

  Por Francisco de Sales Felipe   Talvez fosse assim. Um abandonar-se docemente. Um deixar que tudo acontecesse nesse bom tempo. Não se ouvia nada. A não ser os passos da gente. Eu te entregaria, amada, a rua que tanto te esperou. Eu te daria a lua no abajur que o tempo nos emprestou. Somos […]

CANDEEIRO

Por Francisco de Sales Felipe Toma este pedaço de pano. Molha no azeite do tempo. Quero ver mais uma vez no teu pavio as chamas do ontem. Vem comigo meu bom candeeiro. Nas madrugadas passadas, Sempre foste a minha luz iluminando o meu silêncio e meu estudo. Vim juntar, companheiro, teus fragmentos aos meus desencantos. […]

A TARDE E A PRAIA

  Por Francisco de Sales Felipe A tarde anda nua. Apenas um azul a ilumina. Na sua carne há gosto de sal. Talvez as espumas marinhas Queiram vestir sua faceirice. Ainda ontem eu a vi sentada na areia. Não dizia nada porque a beleza Será sempre silenciosa. Um quase nada de sorriso na face Me […]