Hoje é o “Dia do Cosmonauta”: 60 anos do voo de Yuri Gagarin, o 1º desbravador do espaço

Reprodução

O Dia do Cosmonauta é um feriado celebrado (principalmente na Rússia) em 12 de abril para comemorar o primeiro homem na órbita da Terra. Foi estabelecido por um decreto do Presidio do Soviete Supremo da União Soviética no dia 9 de abril de 1962.

É celebrado em honra ao primeiro vôo espacial tripulado, feito em 12 de abril de 1961 pelo cosmonauta russo Yuri Alekseevich Gagarin, de URSS, que completou uma volta na órbita da Terra (durando 1h e 48 min) a bordo da nave Vostok 1.

Este foi um dos maiores sucessos do programa espacial soviético, tendo repercussão no mundo inteiro. Gagarin imediatamente tornou-se não só um herói da União Soviética, mas um herói mundial. Grandes jornais do mundo inteiro publicaram sua biografia e detalhes do seu vôo. Moscou e outras grandes cidades da URSS organizaram paradas, que só foram menores que as paradas da vitória na Segunda Guerra Mundial. A alegria foi tanta que pessoas choraram e dançaram nas ruas.

Gagarin foi escoltado com honras por uma longa fila de carros com oficiais de alto escalão pelas ruas de Moscou até o Kremlin onde recebeu a mais alta honra soviética, o título de Herói da União Soviética, pelo líder soviético Nikita Khrushchov.

No Dia do Cosmonauta, confira lista de tecnologias chegadas à nossa vida diretamente do espaço

Sistema global de navegação
Para Dmitry Eryomenko, investigador sênior do Museu da Cosmonáutica de Moscou, quando se fala da importância das tecnologias espaciais em nossas vidas, “a primeira coisa que nos ocorre é o sistema global de navegação por satélite, o GPS.”
“A Internet, a televisão por satélite, os sistemas de navegação são todos conquistas da indústria espacial. Se no passado era difícil estabelecer comunicações ininterruptas, hoje os satélites desempenham o papel de ponte entre o espaço e a Terra, facilitando assim as nossas vidas”, afirmou.

Ferramentas sem fios
A indústria espacial favoreceu o desenvolvimento de ferramentas sem fios. Para a missão Apollo, a NASA precisava de um berbequim sem fio para perfurar a superfície lunar e trazer amostras de volta à Terra.

A empresa Black & Decker assumiu o trabalho e desenvolveu um software para otimizar o desenho do motor de perfuração e garantir um consumo mínimo de energia. Esse programa levou posteriormente ao desenvolvimento de uma linha de ferramentas de uso doméstico ou empresarial, portátil e sem fios, em várias áreas como as da saúde e industrial, incluindo o popular aspirador sem fios Dustbuster.

Lentes antirriscos
As inúmeras partículas de pó que flutuam no espaço exterior a uma enorme velocidade poderiam facilmente danificar a viseira do capacete dos cosmonautas. Para colmatar o problema, nos anos 70, o Centro de Investigação Lewis da NASA desenvolveu um revestimento baseado na estrutura dos diamantes.

Este revestimento é 10 vezes mais resistente a riscos do que o vidro comum e é perfeitamente adequado às necessidades da indústria aeroespacial. Atualmente, a tecnologia é usada em uma grande variedade de óculos convencionais.

Suportes invisíveis
Fruto de uma parceria entre a NASA e a Ceradyne da 3M, foram desenvolvidos suportes praticamente invisíveis feitos de um material denominado alumina translúcida policristalina (TPA, na sigla em inglês). Sendo atualmente usada nos aparelhos ortodônticos, a tecnologia foi originalmente desenvolvida para proteger as antenas dos mísseis guiados por infravermelhos, uma vez que a TPA é transparente até à radiação infravermelha.

Teflon e velcro
As invenções mais frequentemente atribuídas à indústria espacial são o politetrafluoretileno, um polímero que conhecemos como Teflon, e o velcro usado na roupa.

Note-se que apesar de estas duas últimas tecnologias terem sido inventadas muito antes dos voos espaciais, viriam a ganhar sua fama após sua utilização no espaço.

Fontes: sputniknews.com e Wikipédia

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.