PENSE! Vamos Escrever Direito? Confira Algumas Dicas De Português

© Espaço Vital

Por Paulo Ledur, professor de Português

Ao invés de / Em vez de – A primeira só pode ser usada para se referir a algo de sentido oposto: Ao invés de atuar na defesa, ele atuou na acusação. Para introduzir algo de sentido apenas diferente, e não oposto, usa-se em vez de: Em vez de trabalhar, ela estuda.

Aparte / À parte – A locução à parte tem os sentidos do advérbio separadamente: Vamos conversar à parte; e do adjetivo separado: conversas à parte. Aparte é substantivo derivado de à parte, tendo o sentido de manifestação separada: A autoridade avisou que não concederia apartes.

Aonde / Onde – A primeira implica movimento, enquanto onde se refere a algo estático. Na dúvida entre uma e outra, sugere-se a aplicação do truque que consiste na troca por para onde; se der certo, será aonde; caso contrário, use-se onde: Onde estás? (para onde estás? – não deu certo). Aonde vais? (para onde vais? – Deu certo).

Ao invés de / Em vez de – A primeira só pode ser usada para se referir a algo de sentido oposto: Ao invés de atuar na defesa, ele atuou na acusação. Para introduzir algo de sentido apenas diferente, e não oposto, usa-se em vez de: Em vez de trabalhar, ela estuda.

Aparte / À parte – A locução à parte tem os sentidos do advérbio separadamente: Vamos conversar à parte; e do adjetivo separado: conversas à parte. Aparte é substantivo derivado de à parte, tendo o sentido de manifestação separada: A autoridade avisou que não concederia apartes.

Aonde / Onde – A primeira implica movimento, enquanto onde se refere a algo estático. Na dúvida entre uma e outra, sugere-se a aplicação do truque que consiste na troca por para onde; se der certo, será aonde; caso contrário, use-se onde: Onde estás? (para onde estás? – não deu certo). Aonde vais? (para onde vais? – Deu certo).

Maricídio / Maricida / Marital – A primeira refere-se ao homicídio do marido cometido pela própria mulher, que por isso é denominada maricida, enquanto marital nada tem a ver com o crime, sendo apenas relativo a marido, como em relação marital.

Estada / Estadia – Apesar de reinar de forma quase absoluta a opção pelo uso de estadia, em regra essa forma é equivocada. Na verdade, estadia é palavra a ser usada com o sentido de permanência de um veículo de transporte em determinado ponto para carga e descarga; originariamente referia-se apenas ao tempo de permanência do navio no porto, passando depois a se estender a qualquer veículo de transporte. Com o sentido de permanência transitória de alguém numa cidade, num hotel ou numa repartição, a palavra correta é estada.

Descriminar / Descriminalizar / Discriminar – Na formação do significado das palavras, é importante atentar para a presença e o significado dos prefixos: o prefixo des-, por exemplo, pode introduzir, entre outros, os sentidos de afastar, livrar, deixar de considerar: Descriminar significa livrar do crime, inocentar, enquanto descriminalizar tem o sentido de deixar de considerar crime. O prefixo dis- introduz, entre outros, os sentidos de separar, distinguir, detalhar: discriminar as contas, discriminação racial, religiosa… 

 

Quando não se escreve direito…

“O mês de novembro finalizará com uma missa cantada por todos os defuntos da paróquia.”

Tratava-se de aviso aos paroquianos encontrado no mural da igreja. É prova definitiva do poder de significado que o contexto atribui às palavras. Todo o estrago dessa frase foi causado pela minúscula palavra por, caso típico de polissemia contextual, pois pode significar por meio de, através de, em prol, em homenagem, entre outras acepções. Justamente por não levar em conta essa multiplicidade de sentidos, o autor da frase acabou atribuindo poder de voz aos defuntos. O exemplo mostra, mais uma vez, que escrever não pode ser ato mecânico; exige permanente atenção.

 

Fonte: espacovital.com.br

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.