SAÚDE BUCAL E ANEMIA FALCIFORME (Simone Norat Campos – Dentista Casa Durval Paiva)

A anemia falciforme é a hemoglobinopatia ou doença hematológica crônica mais comum no Brasil e caracteriza-se pela presença da hemoglobina anômala S ou HbS, provocando a falcização (forma de foice) das hemácias (glóbulos vermelhos do sangue), causando quadro de isquemia e infarto tecidual, comprometendo vários órgãos, incluindo a região dento-maxilo-facial. É uma doença incurável, mas tratável.

As condições de saúde bucal podem causar grande impacto na saúde geral e na qualidade de vida dos portadores de anemia falciforme. Dessa forma, o cirurgião dentista exerce um papel importante na equipe multidisciplinar, na prevenção das complicações.

Os portadores de anemia falciforme são mais suscetíveis às infecções, a doença periodontal e ao desenvolvimento de cáries, devido a alteração de formação e de calcificação do esmalte e dentina. O uso frequente de medicamentos contendo sacarose, muitas intercorrências e internações, ocasionadas pela ausência de higiene oral adequada. A prevenção é a forma ideal de atendimento aos pacientes falcêmicos, para prevenir as infecções dentárias, as quais podem precipitar as crises de anemia falciforme.

As manifestações bucais mais frequentes nos portadores de anemia falciforme são palidez da mucosa, atraso da erupção dos dentes, alteração na mineralização do esmalte e da dentina, em alguns casos, úlceras, que, geralmente, acontecem nas gengivas e mal oclusão.

A doença falciforme é encontrada, através de achados radiográficos, como as alterações ósseas, que acontecem tanto na maxila como na mandíbula, acontecendo uma expansão da maxila. Um sintoma bucal muito relatado pelos portadores de falciforme é a dor mandibular, acompanhada por crises dolorosas generalizadas.

O tratamento odontológico aos pacientes com anemia falciforme deve ser iniciado após uma minuciosa anamnese e exame clínico. O atendimento não pode ser realizado com o paciente em crise falcêmica, mas, caso necessite, pode optar por tratamento paliativo. Procedimentos invasivos, como cirurgia odontológica, devem ser planejados, devido o risco de infecção e deve ser usada a antibioticoterapia profilática, acompanhada do hemograma.

Devido ao maior risco de infecções, assim como estresse físico, as bacteremias podem desencadear crises falcêmicas e o cirurgião dentista deve estar atento a essas condições, procurando melhorar a qualidade de vida dos pacientes, diminuindo os fatores que possam desencadear crises falcêmicas.

Ações de educação em saúde bucal, como parte de programas integrais de saúde da criança, adolescentes e adultos, voltadas a este grupo, possibilitam o desenvolvimento e o crescimento com menos morbidades, crises falcêmicas e infecções. Uma vez que, as condições de saúde bucal podem causar um grande impacto na saúde geral e na qualidade de vida dos portadores da doença.

Na Casa Durval Paiva, as crianças são beneficiadas com o projeto “Educação e Sorriso”, criado pelo setor odontológico da instituição, que, através de atividades lúdicas, trabalha nas crianças e adolescentes a prevenção odontológica, por meio de orientação de escovação, escovação coletiva, orientação da dieta, a importância das visitas regulares ao dentista, contribuindo para minimizar infecções na cavidade oral. Proporcionando, um menor risco de crise falcêmica, conferindo uma melhor qualidade de vida a estes pacientes.

Simone Norat Campos é Dentista na Casa Durval Paiva – CRO/RN 1784

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.