MEU LAMENTO POR INÁ (CELSO CRUZ)

FOTO: CELSO CRUZ

 

No avançar da idade
Recebemos com frequência
Lembranças da adolescência
Em visita com a saudade
Que nossa alma invade
Afagando o coração
Solfejamos uma canção
O passado se avizinha
Nos lembramos da Madrinha
De uma primeira paixão

A minha Madrinha Iná
Muda-se, parte, se encanta
A minha alma se espanta
Lembro de paixões, de medos
Depositária de segredos
De sonhos da mocidade
Que numa precoce puberdade
Pra mostrar a força que tinha
Ia visitar madrinha
E se sentir homem de verdade

Minha madrinha Iná
Mulher de fibra e de fé
Era o seu Cabaré
O cais da minha agonia
Soava como poesia
Quando meu barco atracava
Meu coração deslizava
Em água já navegada
Mastro firme, vela içada
E no amanhecer zarpava

Com o sorriso escancarado
Zarpava à favor do vento
Minha alma em movimento
Se prometia voltar
Hoje ao lamentar
A partida de Madrinha
Revejo a trajetória minha
Meu navegar na boemia
Fazendo da noite dia
Sem saber de onde vinha.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.