PENSE! Festa de Sant’Ana inicia sua celebração em rede e terá Fórum patrocinado pela Funarte

Celebrações religiosas da Festa de Sant’Ana serão virtuais. Foto: Canindé Soares

A Festa de Sant’Ana de Caicó, o mais antigo evento religioso e cultural do Rio Grande do Norte, teve de revisitar o passado para se reinventar. Diante das incertezas relacionadas à pandemia do novo coronavírus, a paróquia decidiu manter a programação readequando-a ao meio virtual, para não quebrar a tradição. Em 271 anos de história de fé e devoção em torno da avó de Jesus, a Festa de Sant’Ana nunca foi interrompida, nem mesmo nos períodos de grandes secas que assolaram o sertão do Seridó.

Este ano sem o colorido das ruas a programação se organiza em formatos digitais. Se a população não pode ir à procissão, ela vai até as pessoas. Assim a paróquia criou a campanha “Uma catedral em cada casa”, incentivando as pessoas a fazer ou adquirir o próprio estandarte da festa e colocar em casa ou na porta.O estandarte traz o modelo do que será hasteado.

Nesta segunda-feira é lançado o novo portal www.catedraldesantana.com que vai unificar toda a programação. As celebrações religiosas poderão ser acompanhadas na íntegra pelo site, pelas redes sociais, por tv e rádio.

No site é possível baixar a programação em pdf, ouvir as músicas da festa, acessar o livro do peregrino, o roteiro das celebrações e o canal de transmissão. O tema deste ano é “A Fé na Divina Eucaristia e a Devoção à Sant’ana nos fazem fortes na tribulação”.

O produtor da Festa de Sant’Ana e ex-secretário de Turismo de Caicó, Diego Vale explicou ao TÍPICO LOCAL que todas as cerimônias religiosas serão a portas fechadas.

“Transmissão de missas não é novidade para paróquia, que já faz isso há dez anos. Agora só ampliamos os canais de acesso, padronizando as mídias para que a festa chega a todos os lugares. Além do site e da internet, também vamos ter o rádio transmitindo toda a programação para as pessoas que vivem na zona rural e não tem acesso a internet”, disse.

Desde junho a programação começou a ser testada nos novos meios. Quando aconteceram as peregrinações virtuais e as famílias devotas da padroeira puderam acompanhar nesse formato. “Uma forma preparar as pessoas.”

Diego conta que este ano não haverá lançamento formal, mas alguns eventos importantes acontecerão esta semana. Na quarta-feira (22)  acontece a missa dos peregrinos, uma homenagem à tradicional caravana Ilton José Pacheco. Depois da missa está programada a live com artistas Rodolfo Lopes e Jonas Linhares, interpretando músicas católicas.

Na quinta-feira (23) será transmitido o hasteamento da bandeira de Sant’Ana e em seguida a missa de abertura. Dentro da catedral, a Banda de Filarmônica Recreio Caicoense, a mais antiga filarmônica da de Caicó, fará um concerto executando dobrados e músicas de procissão, como o hino de Sant’Ana.

Todos os finais de tarde (17h) acontecem debates abordando temas como tradições, historicidade, patrimônio cultural relacionado à festa da padroeira, que atualmente é registrada como patrimônio Imaterial do Brasil pelo Iphan. O Sistema Rural de Comunicação também vai transmitir esses debates pelo rádio. Das 19h às 20h30 acontecem as novenas e celebrações noturnas. Das 21h às 23h30, a parte cultural com as lives de artistas locais.

PROGRAMAÇÃO CULTURAL

O impacto da pandemia no setor artístico foi enorme. Em Caicó, sem os shows na Ilha de Santana e shows nas praças, bares e restaurantes, muitos artistas ficaram sem trabalho no período. Para apoiar financeiramente a classe artística, a Paróquia de Sant’Ana aprovou um projeto na Lei Câmara Cascudo para investir em contratação de serviços de som, luz e cachês. É a primeira vez que a paróquia realiza o evento com lei de incentivo. O projeto foi aprovado ano passado, mas readequado e reapresentado na comissão da LeiCC, segundo informou o produtor.

A programação vai acontecer de 22 de julho a 2 de agosto.  Patrocinam via lei de incentivo as empresas Ligzarb Supermercado, Distribuidora JM Frios, Café Santa Clara, Eletrocenter Material de Construção, Del Rayssa e Slup Sorvetes. “A programação cultural e religiosa está bem diversa, vamos aproveitar o cenário de transformação digital para renovar”.

Também vai ter bate-papo sobre a moda na festa de Santana, Galeria virtual com acervo do Museu do Seridó, Galeria fotográfica com curadoria Aladim Monteiro com temática da Festa de Sant’Ana, lançamento de cordéis, cantoria de violeiros.

FÓRUM

 Uma das novidades deste ano é a programação científica. Trata-se do Fórum da Festa de Sant’Ana – Patrimônio Cultural Brasileiro, aprovado no edital 2020 da Funarte (Fundação Nacional de Arte) com recursos do Governo Federal.

O evento virtual vai contar com a participação de pesquisadores e acadêmicos em mesas temáticas. “Vamos ter apoio da UFRN, IFRN, Museu do Seridó e da paróquia. As mesas temáticas vão abordar temas como patrimônio cultural, a salvaguarda da festa, moda em Sant’Ana, Arte e artesanato, turismo religioso”, explicou Diego Vale. O evento acontecerá dias 28 e 29 de julho por meio digital. Ele acrescenta que dentro da programação haverá um simpósio com apresentação de trabalhos que serão avaliados e selecionados para compor um E-BOOK lançado ainda esse ano.

Em parceria com o IPHAN-RN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) será realizado uma oficina sobre educação patrimonial para professores da rede pública.

PATRIMÔNIO

Celebrada desde 1748, a Festa de Sant’Ana é o único festejo do RN registrado no Livro das Celebrações do Iphan desde 2010, como Patrimônio Imaterial do Brasil. O registro tem duração de dez anos e este seria o ano da análise para revalidação do registro.

“Em janeiro eu estive no IPHAN e foi programada a vinda dos representantes para a festa desse ano. Eles deveriam conferir se os elementos da salvaguarda estavam sendo executados, se estava perdendo sua característica ou não, mas com a pandemia a visita técnica acontecerá no ano vindouro”, explicou Diego.

SEM ROUPA NOVA

Este ano não tem roupa nova para a festa. A economia criativa foi um dos setores que mais sentiu a ausência da festa real. “Sabemos que as tradicionais costureiras e bordadeiras perderam uma das maiores rendas do ano, assim como as lojas de roupas e calçados. O caicoense gosta de renovar o guarda-roupa para a festa”.

Mas o maior impacto no setor da economia criativa foi o cancelamento da Femuse (Feira dos Municípios do Seridó) maior feira de artesanato da região, que acontecia há mais de 40 anos durante a Festa de Sant’Ana.

Confira programação e transmissão aqui www.catedraldesantana.com

 

 

Fonte: Cinthia Lopes-Editora e redatora do tipicolocal.com.br

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.