Nossa Senhora, rogai por nós! (Minervino Wanderley)

O infeliz acontecimento com a Imagem de Nossa senhora da Apresentação na Pedra do Rosário, mostra, por si só, em que cidade vivemos. Ela, que é a padroeira de uma cidade chamada Natal, cujo nome foi colocado em homenagem à data de nascimento do seu Filho, simplesmente está se desmoronando, se decompondo, caindo aos pedaços – literalmente!

Eu, fiel que sou, não acredito que seja apenas o abandono ou descaso do poder público. Com isso, até Nossa Senhora está habituada. Creio que tem um pouco de desengano da nossa Mãe com esse povo. Todos os anos é a mesma coisa: no dia em que reverenciamos Nossa senhora da Apresentação, a Pedra do Rosário serve de porto para que embarcações repletas pessoas que não sabem sequer rezar uma Ave Maria, lá cheguem e façam poses para as devidas postagens que serão compartilhadas na web. Além, claro, de muitos políticos, natos ignorantes, que querem tirar proveito do momento e acham que se vinculam à Santa porque lá estão.

Prefeito Álvaro Dias, você que vem de uma terra que tem a tradição secular de se curvar à Sant’Ana, sabe bem do que falo. A nossa imagem que (ainda) se encontra às margens do Rio Potengi tem um significado especial para uma enorme parcela da sociedade. Principalmente para as mais carentes. É diante Dela que eles rezam e encontram forças para superar as enormes desigualdades econômico/sociais que imperam nos nossos dias. “Uns com tanto, outros com tão pouco.” (Churchill)

Urge a adoção de providências relativas à sua manutenção e proteção, Álvaro. Deixá-la entregue ao desgaste de chuva e sol, é um pecado imperdoável. O povo também tem senso, acredite. Natal precisa de pessoas que a amem. Não digo isso porque você é de outra cidade. Outros já passaram e o descaso é o mesmo. Só nas comemorações eles estão por lá, com os rostos sérios como se respeitassem essa crença. Na verdade, estão fazendo a conta de quantos votos podem amealhar dos devotos.

Por mim, seriam classificados de “sem-votos” todos aqueles que, tomados pela fé, passam a noite em oração, a pedir por dias melhores, clamando por um emprego qualquer, até mesmo pelo prato de comida que ele não sabe se terá para partilhar com sua família no dia seguinte. É verdade, prefeito, tem muita gente nessa situação e você sabe disso.

Álvaro Dias, não trago para este momento questões políticas, nem tenho o intento de levantar dúvidas quanto à legalidade ou não do recebimento de “jetons” – que é um valor adicional – de 60% sobre o salário no final do mês caso integrantes da prefeitura participem de alguma comissão de trabalho. O salário não é para isso? Se eu estiver errado, me diga.

Mas, como explicar ao povo que tem dinheiro para isso e não tem para preservar a imagem da tão venerada padroeira? Fica difícil, né?  Mas eu lhe ajudo, prefeito. Sugestões:

Que tal fazer uma redoma para protegê-la? Que tal colocar policiamento ostensivo para que nós, filhos da cidade, possamos ir lá e dar uma rezadinha, meditar um pouco e desfrutar de um momento de paz? Que tal levar turistas para conhecer o local e para que eles saibam um pouco da nossa rica História?  Que tal um concerto nos finais das tardes das sextas-feiras, por exemplo? Já pensou que coisa bacana?

De fiel para fiel, eu lhe digo: tenha cuidado, prefeito. Nossa Senhora é muito bondosa – como toda mãe é. Mas não abuse desse carinho. Ela pode até lhe perdoar, mas os devotos, não. Aliás, os “sem-votos”. Vá lá, rapaz! Saia do gabinete e pegue o rumo da Pedra do Rosário, olhe para a Santa, peça perdão de novo e passe a cuidar Dela.

Sabe de uma coisa? Quem sabe Ela pode até gostar e, num gesto maternal, lhe dar o perdão? Depois disso, você pode partir para o milagre, que é transformar os sem-votos em devotos e que possam até lhe dar um voto. Mas o primeiro voto é de confiança. O segundo pode ser em outro momento.

Tenha fé, Álvaro. A vida de prefeito pode parecer um paraíso, mas para se chegar ao verdadeiro Paraíso, tem que fazer por merecer aqui.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.